Propagandista é vetado em posto de saúde em Ribeirão Preto

A Prefeitura de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) proibiu a presença de representantes da indústria farmacêutica em unidades de saúde municipais. A medida é considerada inédita pelos conselhos Federal e Estadual de Medicina.


A proibição se deu após denúncia de que pacientes ficavam na fila de atendimento enquanto os chamados propagandistas de remédios conversavam com médicos.
Vereadores protestaram alegando que o veto tira empregos. O Sindusfarma, que representa os laboratórios, diz que o veto é "um desserviço à população e à classe médica".

"Em apenas um dia, contamos 38 representantes na mesma unidade", afirma a prefeita Dárcy Vera (DEM).

O Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) quer restringir o acesso, já que a propaganda parece ter efeito: 48% dos médicos paulistas que recebem visitas de propagandistas prescrevem remédios sugeridos por fabricantes, segundo pesquisa do conselho divulgada no ano passado.

A medida foi tomada em meio a uma crise da saúde na cidade. Há falta de leitos. Pacientes esperam até seis horas pelo atendimento.

Vereadores protestaram alegando que o veto tira empregos. Dizem que a fila no atendimento não é causada pelos propagandistas.

No Hospital das Clínicas da cidade, que não é municipal, os propagandistas ficam em corredor onde abordam os médicos. Eles contam até com armários próprios, com o nome de cada laboratório. São 180 profissionais.

Robson Aparecido Pantosso, 41, propagandista há dez anos, afirma que a visita ao médico é rápida -cerca de dois minutos. No HC ele aborda por dia até 20 médicos.

Ele diz não ver influência da oferta de amostras grátis na decisão médica. "Nós levamos informação do medicamento. É ele que decide se prescreve ou não", afirma.

Edson Ribeiro Pinto, presidente da Fenavenpro, federação dos propagandistas do país, critica o veto. "Esses profissionais vendem vida, saúde, e não vendem armas."

Ribeiro Pinto afirma ainda que muitos dos médicos não têm tempo de se reciclar sobre novos remédios.

No país, existem cerca de 200 mil propagandistas.

O Sindusfarma, que representa os laboratórios, diz que o veto é "um desserviço à população e à classe médica".




Textos relacionados:
© Sindiprofase 2008 - Todos os direitos reservados :: Entre em contato